Menu

VEGA CONHECIMENTOS

Inicio  Mídias  Músicas  Playlist  Mais...

Translate

Saudação

Clima

Clima, (Aqui agora) .

Compartilhe

Barbie, O Filme

Wikipédia, a enciclopédia livre.

FILME
Poster do Filme


Barbie é um filme estadunidense dos gêneros comédia e fantasia dirigido por Greta Gerwig, com o roteiro co-escrito com Noah Baumbach. O filme é baseado na franquia de bonecas Barbie, produzida pela empresa multinacional Mattel, sendo o primeiro filme da franquia em formato de live-action depois de uma série de filmes em animação diretos para digital video disc e séries de televisão. Estrelado por Margot Robbie e Ryan Gosling como Barbie e Ken, respectivamente, o filme ainda apresenta um elenco diverso.

O desenvolvimento do filme começou originalmente em 2009 na Universal Pictures e depois passou para a Sony Pictures. Após várias mudanças de escritores e a escolha de duas atrizes diferentes para interpretar o personagem-título, o contrato com a Sony expirou e os direitos foram transferidos para a Warner Bros. Pictures. Robbie foi escalada em 2019 e também atua como produtora pela LuckyChap Entertainment ao lado da Mattel Films e da Heyday Films. Gerwig foi confirmada como diretora e coroteirista com Baumbach em 2021. As filmagens começaram em março de 2022 na Warner Bros. Studios, Leavesden, na Inglaterra.

Barbie foi lançado nos Estados Unidos em 21 de julho de 2023 pela Warner Bros Pictures. No geral, o filme foi um sucesso de público e crítica, sendo a melhor estreia (em bilheteria) de 2023.

Enredo:


A Barbie estereotipada ("Barbie") e uma grande variedade de colegas Barbies residem na Barbielândia, uma sociedade matriarcal onde todas as mulheres são autoconfiantes, autossuficientes e bem-sucedidas. Enquanto suas contrapartes Ken passam seus dias em atividades recreativas na praia, as Barbies ocupam todos os cargos importantes, como médicos, advogados e políticos. O Ken praiano ("Ken"), namorado de Barbie, só fica feliz quando está com Barbie e busca um relacionamento mais próximo, mas Barbie o rejeita em favor da independência e das amizades femininas.

Durante uma festa de dança, Barbie de repente se preocupa com a mortalidade. No dia seguinte, ela descobre que não consegue mais completar sua rotina habitual e descobre que seus pés ficaram chatos e ela tem celulite. Barbie estranha, uma pária sábia, mas desfigurada, diz a ela que para curar sua doença ela deve viajar para o mundo real e encontrar a criança brincando com ela. Em seu caminho para o mundo real, Barbie encontra Ken escondido em seu conversível e relutantemente permite que ele se junte a ela.


Chegando a Venice Beach em Los AngelesCalifórnia, a dupla causa várias travessuras e é presa, alarmando o CEO da Mattel, que ordena sua captura. Barbie rastreia sua dona, uma adolescente chamada Sasha, que a critica por encorajar padrões de beleza irrealistas. Perturbada, Barbie descobre que Gloria, funcionária da Mattel e mãe de Sasha, é a catalisadora de sua crise existencial. Gloria começou a brincar com os brinquedos de Sasha enquanto experimentava sua própria crise de identidade, transferindo inadvertidamente suas preocupações para a Barbie. Gloria e Sasha resgatam Barbie do CEO da Mattel e seus subordinados, e as três viajam juntas para a Barbielândia.


Enquanto isso, Ken aprende sobre o sistema patriarcal e se sente importante e aceito pela primeira vez. Voltando à Barbielândia, ele convence os outros Kens a assumirem o controle e as Barbies são subjugadas a papéis submissos, como empregadas domésticas, donas de casa e namoradas agradáveis. Barbie chega e tenta convencer Ken e as Barbies a voltarem a ser como eram, mas é rejeitada. Ela fica deprimida, mas Gloria a inspira com um discurso sobre os problemas de ser mulher. Com o incentivo de Sasha, Gloria, Barbie estranha, Allan e outras Barbies fora de transe, libertam as diversas outras Barbies dos Kens. Elas manipulam os bonecos para lutar entre si, permitindo que as Barbies recuperem seu poder sistêmico e impedindo os Kens de alterar a constituição da Barbielândia para consagrar a superioridade masculina. Como concessão, os Kens recebem um papel menor na sociedade da Barbielândia.


Barbie e Ken pedem desculpas um ao outro e reconhecem suas falhas. Ken lamenta não ter identidade ou propósito sem a Barbie, ao que a Barbie o encoraja a encontrar uma identidade autônoma. Barbie, que permanece insegura sobre seu próprio propósito e identidade, encontra o espírito da co-fundadora da Mattel, Ruth Handler, que explica que a história da Barbie não tem um final definido e sua história em constante evolução supera a de suas raízes.

Barbie decide se tornar humana e retornar ao mundo real. Algum tempo depois, Gloria, seu marido e Sasha levam Barbie, agora com o nome de "Barbara Handler", à sua primeira consulta ao ginecologista.

Elenco

Margot Robbie at the 2016 San Diego Comic Con International in San Diego, California.
Ryan Gosling at the 2017 San Diego Comic Con International in San Diego, California.
Margot Robbie (à esquerda) e Ryan Gosling (à direita) retratam Barbie e Ken, respectivamente.

Produção

Desenvolvimento

O desenvolvimento de um filme baseado na linha de brinquedos da Barbie começou em 2009, quando foi anunciado que a Mattel havia assinado uma parceria com a Universal Pictures para produzir e com Laurence Mark como produtor, mas isso não se concretizou.[27] Em abril de 2014, a Mattel se uniu à Sony Pictures para produzir o projeto, que teria Jenny Bicks escrevendo o roteiro e Laurie Macdonald e Walter F. Parkes produzindo através de sua produtora Parkes+MacDonald Image Nation. As filmagens na época estavam previstas para começar até o final do ano.[28] Em março de 2015, Diablo Cody foi trazida para o projeto para reescrever o roteiro, e Amy Pascal se juntou à equipe de produção.[29] A Sony voltaria a reescrever o roteiro no final daquele ano, contratando Lindsey Beer, Bert V. Royal e Hilary Winston para escrever rascunhos.[30]

Greta Gerwig at the 2018 Berlin International Film Festival in Berlin, Germany.
Director Noah Baumbach speaks about the courtroom scene in his film Marriage Story.
A diretora de BarbieGreta Gerwig (à esquerda), co-escreveu o roteiro com seu parceiro, Noah Baumbach.

Em dezembro de 2016, Amy Schumer entrou em negociações para estrelar como o papel-título, com o roteiro de Winston sendo usado que seria reescrito por Winston e sua irmã Kim Caramele.[31] Em março de 2017, devido a conflitos de agendamento com o início das filmagens planejado para junho de 2017, Schumer sairia das negociações.[32] Em julho de 2017, Anne Hathaway começou a circular para o papel-título, com a Sony contratando Olivia Milch para reescrever o roteiro e abordando Alethea Jones para dirigir como um meio de interessar Hathaway em assinar.[33] Jones seria anexada à direção em março de 2018.[34] No entanto, após a expiração do contrato com a Sony sobre o projeto em outubro de 2018 e sua transferência para a Warner Bros. Pictures veria as saídas de Hathaway, Jones, Macdonald, Parkes e Pascal. Margot Robbie entraria nas primeiras negociações para o papel, com Patty Jenkins circulando brevemente pela posição de diretora.[35] A escalação de Robbie seria confirmada em janeiro de 2019, com Greta Gerwig e Noah Baumbach agora escrevendo o roteiro.[36][8] Gerwig assinaria oficialmente para dirigir o filme em julho de 2021.[37] Robbie afirmou que o objetivo do filme é subverter as expectativas e dar ao público "aquilo que você não sabia que queria".[38]

Roteiro

Gerwig e Baumbach tiveram total liberdade criativa para escrever o filme. Eles colaboraram no roteiro durante os bloqueios da pandemia de COVID-19 de 2020–2021 e descreveram o processo de escrita como "aberto" e "livre". Para o tratamento do filme, Gerwig havia originalmente escrito um poema abstrato sobre a Barbie, no estilo do Credo dos Apóstolos. Para o arco narrativo, ela foi parcialmente inspirada pelo livro de não ficção de 1994, Reviving Ophelia, de Mary Pipher, que relata os efeitos das pressões sociais sobre as adolescentes americanas. Ela também encontrou inspiração em musicais clássicos em Technicolor, como The Red Shoes e Les Parapluies de Cherbourg, que ela citou dizendo: "Eles têm um nível tão alto do que passamos a chamar de artificialidade autêntica. Você tem um céu pintado em um estúdio de som. O que é uma ilusão, mas também está realmente lá. O pano de fundo pintado está realmente lá. A tangibilidade do artifício é algo a que continuamos voltando".[39]

Escolha do elenco

Em outubro, Ryan Gosling entrou nas negociações finais para se juntar ao elenco como Ken.[17] Em fevereiro de 2022, America Ferrera,[40] Simu Liu,[41] e Kate McKinnon se juntaram ao elenco.[42] Ariana Greenblatt, Alexandra Shipp e Emma Mackey foram adicionadas em março.[43][44][45] Will FerrellIssa RaeMichael Cera, Hari Nef, Kingsley Ben-AdirRhea PerlmanNcuti GatwaEmerald FennellSharon RooneyScott Evans, Ana Cruz Kayne, Connor Swindells, Ritu Arya e Jamie Demetriou foram adicionados ao elenco em abril.[46][47][48][49] Em maio de 2022, Dua Lipa foi adicionada ao elenco.[50] Em julho, Marisa Abela foi adicionada ao elenco.[51]

Durante o processo de escolha do elenco, Gerwig e Robbie procuraram atrizes com "energia Barbie" (que é descrita como "uma certa combinação inefável de beleza e exuberância").[39] Mackey revelou em uma entrevista de 2022 para a Empire que grande parte do elenco de apoio interpretará várias iterações de Barbie e Ken.[52] Em entrevista à Vogue em maio de 2023, Robbie revelou que queria a atriz Gal Gadot como uma Barbie para o filme, mas Gadot não estava disponível devido ao agendamento.[53] Helen Mirren narrou o trailer do filme e também filmou uma breve participação especial para o filme.[54]

Filmagens

As filmagens começaram no Reino Unido em março de 2022, na Warner Bros. Studios, Leavesden, e finalizadas em 21 de julho de 2022.[55][56] Entre os locais de filmagem notáveis estava o Venice Beach Skatepark em Los Angeles, Califórnia.[57] Rodrigo Prieto foi o diretor de fotografia, e Jacqueline Durran serviu como figurinista.[58] As refilmagens aconteceram em Los Angeles em abril de 2023.[59] O orçamento foi de 100 milhões de dólares.[3]

Cenografia

Sarah Greenwood e Katie Spencer atuam como cenógrafo e decorador, respectivamente, no filme. Para a Barbie Dreamhouse, a dupla se inspirou na arquitetura modernista de meados do século encontrada em Palm Springs, incluindo a Kaufmann Desert House de Richard Neutra, bem como a fotografia de Slim Aarons. Gerwig queria capturar "o que havia de tão ridiculamente divertido nas Dreamhouses", aludindo a seus modelos anteriores, e fez referência à Pee-wee's Big Adventure, às pinturas de Wayne Thiebaud e ao apartamento de Gene Kelly no musical Technicolor de 1951, An American in Paris. "Tudo precisava ser tátil, porque os brinquedos são, acima de tudo, coisas que você toca" Gerwig foi citado dizendo sobre o uso de efeitos práticos em vez de CGI para capturar o céu e as montanhas de San Jacinto.[60][61]

Figurino

A figurinista Jacqueline Durran, que já colaborou com Gerwig em Little Women (2019), empregou uma abordagem prática para criar o guarda-roupa de uma Barbie: "A característica que define o que ela veste é para onde ela está indo e o que está fazendo, é estar completamente vestida para seu trabalho ou tarefa". Para combinar com o cenário da Barbielândia do filme, Durran e sua equipe criaram figurinos feitos de cerca de quinze combinações de cores "que remetem à ideia de uma praia da Costa Azul no início dos anos 1960" e se inspiraram na atriz francesa Brigitte Bardot. Para os looks de Ken, Durran zerou um look composto por roupas esportivas coloridas dos anos 1980, enquanto o ator Ryan Gosling sugeriu uma cueca com a marca Ken para o personagem. Durran adaptou roupas de iterações anteriores das bonecas Barbie, como as bonecas "Western Stampin'" de 1993 e as bonecas "Hot Skatin'" de 1994. Ela observa as bonecas Barbie como "uma forma muito útil de olhar para diferentes ideias de feminilidade: o que isso significa, quem é o dono e a quem se destina" e refletiu essa ideia em como ela veste os personagens. Embora a maioria das roupas apresentadas no filme tenha sido adquirida por Durran e sua equipe, eles também retiraram peças dos arquivos de moda da Chanel.[62]

Música


Alexandre Desplat, que já colaborou com Gerwig em Little Women (2019), foi confirmado para colaborar na trilha sonora do filme no início de setembro de 2022.[63] No entanto, em maio de 2023, Desplat havia deixado o projeto devido a conflitos de agendamento, com Mark Ronson e Andrew Wyatt assumindo as funções de pontuação.[64]

O álbum da trilha sonora do filme, intitulado Barbie: The Album, foi lançado em 21 de julho de 2023, para coincidir com o lançamento do filme.

O primeiro single do álbum, "Dance the Night", de Dua Lipa, foi lançado como o primeiro single em 25 de maio de 2023.[65] O segundo single, Watati", de Karol G, foi lançado em 2 de junho de 2023.[66] O terceiro single, "Angel", de PinkPantheress, foi lançado em 9 de junho de 2023.[67] O quarto single, "Barbie World", uma nova versão da música "Barbie Girl" de 1997 do grupo musical dinamarquês Aqua, gravada pelas rappers Nicki Minaj e Ice Spice, foi lançado em 23 de junho de 2023.[68]

Lançamento

Merchandising do filme da Barbie no Warner Bros Studio Tour Hollywood de Los Angeles.

Barbie foi lançado nos cinemas dos Estados Unidos no mesmo dia que o filme de longa metragem Oppenheimer, em 21 de julho de 2023, pela Warner Bros. Pictures.[69][70] O filme foi provisoriamente agendado para ser lançado em 2 de junho de 2017, 12 de maio de 2017, 29 de junho de 2018, 8 de agosto de 2018 e 8 de maio de 2020.[71][72][73][74][75] No Brasil, o filme foi lançado em 20 de julho de 2023.[76] Em 18 de julho, a Warner Bros afirmou que Barbie teve a maior quantidade de ingressos vendidos numa pré-venda na história da empresa no território brasileiro.[77]

Em 3 de julho de 2023, a distribuição doméstica do filme foi proibida pelo Vietnã por causa de uma cena com um mapa que mostra o território reivindicado unilateralmente pela China no Mar do Sul da China.[78]

Recepção

Bilheteria

Nos Estados Unidos e no Canadá, Barbie estreou ao lado de Oppenheimer, sendo exibido em 4 243 salas no seu primeiro fim de semana, com a Warner Bros projetando cerca de US$ 75 milhões feitos na bilheteria inicial.[79] Na sua semana de lançamento, AMC Theatres anunciou que mais de 40 000 membros do AMC Stubs haviam garantido seus ingressos na pré-venda para ambos os filmes no primeiro dia.[80] Após arrecadar cerca de US$ 70,5 milhões de dólares no primeiro dia (incluindo US$ 22,3 milhões nas prévias de quarta e quinta-feira a noite, a melhor marca de 2023), a imprensa projetou que o longa arrecadaria cerca de US$ 161 milhões no seu primeiro fim de semana na América do Norte.[81] De fato, até 23 de julho, após seu primeiro fim de semana, Barbie arrecadou em torno de US$ 155 milhões nos Estados Unidos e no Canadá (a melhor estreia de 2023) e US$ 182 milhões pelo mundo, com uma bilheteria global inicial de US$ 337 milhões.[4] Foi assim a melhor estreia de 2023 e estabeleceu o recorde para qualquer filme que não fosse uma sequência, remake ou filme de super-herói.[82]

Crítica

No site agregador de críticas Rotten TomatoesBarbie teve um índice de aprovação de 90% baseado em 337 resenhas, com uma nota média de 8,1 (de 10). O consenso da crítica dizia: "Barbie é uma comédia visualmente deslumbrante cujo meta-humor é inteligentemente complementado por uma narrativa subversiva".[7] Já no Metacritic, que dá uma média ponderada, o filme teve uma nota de 80 (de 100), baseado em 67 críticas, indicando "aclamação universal".[83] A recepção da audiência, segundo o CinemaScore, foi muito positiva, dando uma nota "A" (numa escala de A+ a F), enquanto o PostTrak deu um índice de aprovação pelo público de 89%, com cerca de 79% das pessoas dizendo que definitivamente recomendariam o filme.[81]

No geral, o filme foi elogiado pelas atuações do elenco principal e seus aspectos técnicos, mas criticas foram direcionados a natureza "autoconsciente" do longa principalmente após a primeira meia hora. Stephanie Zacharek, da revista Time, afirmou que Barbie é um filme feminista "apenas de forma mais dispersa" e que não era "subversivo".[84][85]

Lovia Gyarke, do The Hollywood Reporter, chamou o filme de um "ato de equilíbrio complicado de fidelidade corporativa e subversão", elogiando a direção de Gerwig, a cenografia, figurinos, trilha sonora e atuações, mas criticou a "politicagem confusa e aterrissagem emocional plana".[9] Em sua resenha para o Chicago Tribune, Michael Phillips chamou Barbie de "um exemplo adorável e excentricamente imaginativo de extensão de marca e comercialismo cru e desenfreado", aplaudiu o design de produção e resumiu: "A parceria crucial aqui é aquela entre diretor e performer, Gerwig e Robbie; qualquer coisa que o roteiro verbalmente hábil de Gerwig e Baumbach exija, desde a primeira lágrima de Barbie até a piada final, Robbie lida com precisão infalível".[86] Richard Brody, do The New Yorker, chamou o filme de "brilhante, bonito e muito divertido", afirmando que a "visão vertiginosamente estilizada de uma boneca ganhando vida é um caso sério para a arte de adaptar até mesmo a mais higienizada propriedade intelectual" e elogiou a direção "livre e selvagem", bem como a estética visual "profusa e requintada".[87] Já Peter Debruge, da Variety, elogiou o humor por "nos dar permissão para desafiar o que a Barbie representa" e elogiou a atuação de Gosling, mas concluiu que o filme é uma "experiência intelectual, não emocional, baseada principalmente na nostalgia do público".[88]

Análise

Existencialismo

Barbie tem sido caracterizado por explorar temas do existencialismo.[89][90][91] Lucy Bord, da GQ, escreveu que o filme "reflete sobre a própria ideia do que nos torna humanos, a ideia do 'outro', se existe realmente autonomia ou se somos todos simplesmente peões a serem apanhados e descartados quando não somos mais úteis". Bord observou que Barbie e Ken fazem jornadas "opostas, mas iguais" de autodescoberta, depois de se aventurar no mundo real e aprender que é uma sociedade patriarcal opressiva em oposição à utopia matriarcal que é a Barbielândia, e ficam "presos na mira de ser senciente e ideia de outra pessoa, lutando contra o livre arbítrio e as onipresentes regras predeterminadas sobre onde ir e como agir".[92] Na Vogue India, Varya Srivastava aplicou os conceitos Beauvoirianos de existencialismo e individualismo à Barbie, argumentando que "o individualismo faz você questionar as normas e expectativas da sociedade [...] Mesmo para a Barbie, isso já está fermentando há algum tempo. Ela tentou ser inclusiva e representativa. Ela tentou reconhecer a crítica feminista e agora tem empregos como presidente, cientista, médica. Mas o fardo de ser um modelo em um mundo que questiona a moralidade e abraça a multiplicidade é muito. O existencialismo prospera nessa lacuna entre o que é e o que deveria ser".[93]


Alissa Wilkinson, da Vox, comparou Barbielândia ao Jardim do Éden bíblico, com Barbie e Ken como paralelos invertidos de Adão e Eva. Ela viu a primeira impressão de Barbie e Ken "de que de repente eles estão constrangidos e conscientes de serem olhados" no mundo real como a versão do filme do pecado original.[94]






Postagens mais visitadas no mês

Postagens mais visitadas

Pesquisar por assunto