iq option

Tradutor - Translater

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

21.1.22

Burnout é reconhecido como doença e casos aumentam em todo o mundo.

Referência: Revista Istoe 14/01/2022 nº 2712

A comunidade científica internacional classifica, finalmente, a Síndrome de Burnout como enfermidade. Comprova também que a sua origem é o estresse advindo de qualquer atividade profissional e diz que ela só pode ser tratada por especialistas.


“Não conseguia nem mesmo levantar da cama” Amélia Cristina Marques, bancária (Crédito: GABRIEL REIS)


Fernando Lavieri14/01/22 - 09h30

Igualmente a outras áreas do conhecimento, também na medicina a realidade e o dia a dia enriquecem a teoria. Nos últimos anos foram tantos os casos de Síndrome de Burnout em todo o mundo, que a OMS oficializou-a como uma enfermidade crônica a ponto de incluí-la na mais recente versão do Código Internacional de Doenças (CID 11). Burnout consta agora da bíblia da saúde, a pessoa por ela acometida tem de ser tratada por especialistas e respeitada pela sociedade em geral – em particular, nos meios profissionais. Por que? A resposta está em sua origem: a Síndrome de Burnout, que também pode ser chamada de Síndrome do Esgotamento, está intrinsecamente associada à rotina de trabalho. Ela se faz sinalizar pelo sentimento de grande estresse físico e mental, queda brusca na qualidade do serviço executado e, mais importante, pelo fenômeno psiquiátrico da despersonalização — quando o indivíduo cumpre as suas tarefas de forma robotizada e demonstra embotamento afetivo em relação ao grupo no qual vive. “O trabalhador com Burnout gasta todo o seu estoque de energia biopsíquica e depois fica exaurido”, diz Fábio Scaramboni Cantinelli, chefe de Psiquiatria do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. “O paciente demora muito para restituir a energia que despendeu”.


EXPLICAÇÃO O psiquiatra Fábio Cantinelli detalha: o trabalhador perde as energias para executar as tarefas (Crédito:GABRIEL REIS)


Foi em 1974 que o psicólogo alemão Herbert J. Freudenberger deu a mais perfeita definição desse mal, valendo-se da metáfora de um palito de fósforo: uma vez aceso, ele ostenta uma vigorosa chama, mas, após alguns segundos, vai paulatinamente perdendo-a. Chega o momento em que o palito apaga. A bancária paulista Amélia Cristina Marques, 46 anos, sentiu-se exatamente assim. Ela está sob cuidados médicos há quatro anos. “Não conseguia nem mesmo levantar da cama”, diz a bancária. Há vinte e oito anos na função, Amélia se olhava no espelho e se negava admitir-se doente e que precisava de ajuda especializada. “Hoje faço psicoterapia e tomo medicamentos que me são receitados”. A instituição financeira, da qual está licenciada, compreendeu que se trata de doença e a amparou. Mas, em um País no qual até a depressão ainda é vista como “fazer corpo mole” diante do trabalho, Amélia foi hostilizada por alguns colegas desinformados: “Alguns deles não acreditavam que eu estava doente. Por isso me desrespeitaram”. Esse é um dos motivos que levou a paulista Maria (sobrenome preservado a seu pedido) a desenvolver a síndrome quando colocou toda a sua energia no trabalho, deixando em planos secundários sua vida pessoal e emocional. Pode-se mesurar o alcance da doença pelo índice colhido junto ao INSS: quintuplicou o número de solicitações de auxílio doença, motivados por Burnout, entre março e abril de 2020. O número de pedidos chegou a quinhentos mil. O estresse da pandemia e o decorrente medo da morte é claro que tiverem papel importante nesse astronômico aumento de requisições. 




Em um país como o Brasil em que a depressão ainda é vista por muita gente como sinônimo de fazer “corpo mole”, é importante a catalogação de Burnout como doença

Apesar de a Síndrome do Esgotamento estar fortemente relacionada com o mundo do trabalho, não é raro ver pessoas envolvidas em outras atividades também desenvolverem a enfermidade – mas seu pano de fundo, digamos assim, é sempre o profundo estresse. Douglas Pinheiro é padre e, pouco depois de um ano de seu ordenamento, passou a sentir os sintomas da síndrome, estreitamente similares aos do transtorno da ansiedade generalizada. “Sentia muito sono, tinha crises de choro, palpitações, falta de ar e inquietação constante”, diz o padre. Ele atua em seu sacerdócio na cidade paulista de Jandira, e na época em que começou a sofrer de burnout cuidava de nove igrejas ao mesmo tempo, além de se dedicar ao magistério universitário. “Passei por tratamento psicológico e agora estou melhor”, diz Pinheiro. Por se tratar de um religioso, aparentemente o processo foi mais doloroso. Ele explica diz que não compreendia como o trabalho para o qual tanto se preparou estava lhe fazendo mal: “executava, cada vez, mais e mais, tarefas”. Atualmente, o padre conseguiu estabelecer uma rotina mais harmoniosa de trabalho. Dedica-se a seis paróquias.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe de sua opinião!

Pesquise por assunto

Postagens mais visitadas do mês.

As postagens mais visitadas do site.

Vega - Total de visualizaçõs.

Local de acessos desde 10/02/2021

Map

Vega Conhecimentos

VEGA – INSTITUCIONAL

Finalidadelevar conhecimentos ao maior quantidade de pessoas possível, pra que saiam da Matrix. 

Quem sou euperfil

Contatosvega@vega-conhecimentos.com 

PodcastAnchorGoogleRadiopublicSpotify 

Vídeos e Filmes: links(s) são direcionados ao(s) servidores de origem.

Contribuímos, mensalmente:

Médicos Sem Fronteiras  e a AACD

Privacidade e Termos de Utilização, o padrãoGoogle - 1998/2022.