2 de fev. de 2020

REDES-SOCIAIS-APARÊNCIA

A aparência nas redes sociais.

OUÇA  O TEXTO, AGORA, CLIC NO PLAYER.


redes-sociais




A aparência nas redes sociais se tornou quase um estilo de vida. Inclusive, mudamos o nosso comportamento para que os outros vejam o que estamos fazendo. Mas o que há por trás de tudo isso? Tem algo a ver com o nosso nível de autoestima?


A aparência nas redes sociais se tornou quase uma obsessão. Inclusive, podemos falar que há todo um estilo de vida em torno dela. Quantas vezes tiramos uma foto só para colocá-la no nosso Instagram ou Facebook, ou algum outro aplicativo do tipo?
O celular é uma parte de nós. Graças a ele relatamos nosso fabuloso dia a dia para que os outros nos admirem e encham as nossas publicações de likes. Mas o que se esconde por trás dessa busca incessante por atenção e admiração? É uma nova forma de buscar a fama? Esse comportamento pode ser derivado de problemas na nossa autoestima?
Sem dúvida, este é um fenômeno que exige uma reflexão. O objetivo será entender se realmente há algum tipo de carência afetiva por trás dele. A aparência nas redes sociais se tornou um tema de debate tanto a nível popular quanto no mundo científico.

Redes sociais e autoestima

As redes sociais são ferramentas que podem ser muito úteis tanto na vida profissional quando na vida social e pessoal. Por um lado, elas servem para ficar mais perto dos nossos entes queridos e compartilhar com eles as nossas vivências.
O problema surge quanto tornamos a nossa aparência nas redes sociais o centro da nossa vida, nossa motivação principal de ser. E então não só fotografamos os lugares para onde vamos, mas vamos a lugares especificamente para podermos fotografá-los.
Vestimos a camisa da imagem que criamos e queremos mostrá-la ao mundo. Fazemos coisas para que os demais vejam que estamos fazendo. Inclusive, algumas pessoas perdem a vida caindo de lugares altos ou de edifícios na tentativa de tirar uma boa selfie.






Interações nas redes sociais

O que nos leva a fazer das redes sociais um estilo de vida? Para responder, será importante falar um pouco sobre a autoestima. A autoestima, segundo Massó (2013), está relacionada com o valor que achamos que temos. Ela pode ser dividida em dois componentes:
  • A consciência que temos sobre nós mesmos, ou seja, nosso autoconceito. Isso é, os traços da nossa identidade, qualidades e características da nossa maneira de ser.
  • O segundo componente é sentimental. Trata-se do apreço e do amor que sentimos e experimentamos em relação à nossa pessoa, nossos interesses, crenças, valores e modo de pensar.
A baixa autoestima influencia a forma como nos relacionamos com os outros. A equipe de López-Villaseñor (2014) assegura que as pessoas com baixa autoestima vivem as relações sociais com ansiedade e medo de rejeição.
Desse modo, chegamos a um ponto-chave para entender o uso obsessivo das redes sociais. A baixa autoestima e o medo de rejeição se traduzem, em muitos casos, na necessidade imperiosa de buscar a aceitação dos demais.
“A pior solidão é não estar em paz consigo mesmo”.
-Mark Twain-

A aparência nas redes sociais: preencher um vazio interior

Desde o surgimento da psicologia budista, a busca para preencher o vazio interior é um assunto bastante relevante. Por nos sentirmos incompletos e frustrados, em muitos momentos passamos a buscar a felicidade em estímulos externos.
No caso das redes sociais, nós a buscamos em forma de atenção e reconhecimento. Dessa forma, criamos uma falsa felicidade sustentada em opiniões externas.
“Você pode buscar no universo inteiro alguém que seja digno do seu amor e afeto, mas essa pessoa não pode ser encontrada em qualquer lugar. Essa pessoa é você mesmo”.
Esse tipo de felicidade é frágil, entre outro motivos, porque essa ânsia por agradar, por fazer todas as arestas da sua vida parecerem perfeitas, em muitos casos acaba tirando a identidade da pessoa.

Outro fator que influencia é a volatilidade da opinião dos outros. O que hoje nos agrada, amanhã pode não nos agradar mais. Desse modo, se um dia temos muitos seguidores isso não quer dizer que amanhã ainda vamos ter o mesmo número.
O que está acontecendo? Pegamos a nossa felicidade a entregamos aos outros. Em vez de cultivar a nossa própria felicidade e de nos tornarmos responsáveis por ela, a entregamos para que os outros nos façam felizes. No entanto, na verdade, a nossa felicidade depende apenas de nós mesmos.






Homem viciado em celular

Reflexão final

Nem tudo que reluz é ouro. Nem tudo que vemos nas redes sociais é reflexo da realidade. As pessoas só mostram o que querem mostrar. A aparência nas redes sociais é bastante relativa. Ninguém vai postar uma foto chorando ou passando mal.
Se olharmos bem, a maioria das fotos que vemos são de viagens, festas ou eventos que supõem uma certa relevância para cada um de nós. Olha o que ele conseguiu! Olha onde ele foi, que legal. Olha só como ele está bem… Não podemos cair no erro de pensar que as outras pessoas conseguem estar felizes e bem 24 horas por dia e 7 dias por semana.
Frases como “Nossa, como a minha amiga está bem de vida!” ou “Gente, esse meu amigo não para de fazer coisas interessantes” são ouvidas com muita frequência. No entanto, se de fato estivéssemos presentes no dia a dia dessas pessoas, com certeza descobriríamos que ele não é muito diferente do nosso.
Todos têm momentos de tristeza e momentos de alegria. Isso nos indica que não devemos acreditar em tudo que vemos. Além disso, quando vemos alguém em um momento feliz, devemos ficar felizes por essa pessoa.
Para concluir, podemos enfatizar que a nossa felicidade está em nossas mãos. Desse modo, não podemos deixar que ela caia nas mãos da opinião alheia e dependa da admiração dos demais.
Por outro lado, quando formos procurar referências não devemos olhar para as redes sociais, porque talvez você saia pior do que entrou. Um mundo onde as emoções negativas não existem não pode ser considerado real.
“A alegria não está nas coisas, está em nós”.
-Richard Wagner-

Nenhum comentário:

Postar um comentário

PESQUISE NA WEB

PESQUISE POR ASSUNTO

AS PREFERIDAS DO MÊS