Tradutor

07/04/2023

Brincando com nossas mentes: a linha cada vez mais tênue entre notícias e publicidade.

Comportamento

Noticia
Pensador

(Imagem: Jared Rodriguez/ Truthout ; 
Adaptado: Brian Hillegas , Reigh LeBlanc , Abrinsky )

https://truthout.org/

Por Kingsley Dennis.

Tradução: Luiz Antonio Soares.

Afabricação de consentimento é endêmica nas sociedades modernas. Ao longo da história, a necessidade de “persuadir e influenciar” sempre foi manipulada pelos detentores do poder como forma de manter a autoridade e a legitimidade. Nos anos mais recentes, a manipulação geral da mente do público em massa tornou-se menos sobre fazer discursos e mais sobre se tornar uma presença penetrante na vida de cada indivíduo.

Edward Bernays costuma ser chamado de “o pai das relações públicas”, pois foram seus ensinamentos e pesquisas que estimularam a propaganda nos anos do pós-guerra. Bernays, sobrinho de Sigmund Freud, utilizou ideias psicológicas e psicanalíticas para construir um sistema informacional – a propaganda – capaz de manipular a opinião pública. Bernays, aparentemente, considerou que tal aparato manipulador era necessário porque a sociedade, a seu ver, era composta por elementos irracionais demais – o povo – que poderiam ser perigosos para os mecanismos eficientes de poder (ou a chamada “democracia”). Bernays escreveu que “a manipulação consciente e inteligente dos hábitos e opiniões organizadas das massas é um elemento importante na sociedade democrática”. [1]Tendo em mente que Bernays estava trabalhando no início dos anos 1920, podemos esperar que os mecanismos de propaganda – manipulação de massa – tenham progredido para um grau muito avançado desde então. No contexto de nossas modernas sociedades de massa, a propaganda se transformou em um mecanismo não apenas para manipular a opinião pública, mas também para consolidar o controle social.

Os programas modernos de influência social não poderiam existir sem os meios de comunicação de massa. Hoje existe como uma combinação de expertise e conhecimento de tecnologia, sociologia, behaviorismo social, psicologia, comunicação e outras técnicas científicas. Quase toda nação precisa de uma grande mídia controlada se quiser regular e influenciar seus cidadãos. Por meio da grande mídia, uma autoridade controladora é capaz de exercer influência psicológica sobre a percepção que as pessoas têm da realidade. Essa capacidade funciona de mãos dadas com os componentes mais físicos, como a aplicação do sistema jurídico e das leis de segurança nacional (vigilância e monitoramento). O controle do Estado, agindo como uma “máquina psicológica”, instiga manipulações psicológicas específicas para atingir os objetivos desejados dentro de suas fronteiras nacionais (e muitas vezes além). Exemplos dessas manipulações psicológicas incluem o uso deliberado de símbolos culturais específicos e significantes embutidos que catalisam reflexos condicionados na população. Esses gatilhos incluíram as palavras “vermelho” e “comunista” durante o macarthismo dos Estados Unidos na década de 1950, e “terrorista muçulmano” durante a guerra contra o terror atualmente construída. As reações direcionadas podem, assim, ser alcançadas, tornando a população aberta a mais manipulações neste estado. 

Este é um processo de reforma psíquica que funciona repetidamente para suavizar as pessoas por meio de exposição contínua e extensa a estímulos específicos. Esses gatilhos incluíram as palavras “vermelho” e “comunista” durante o macarthismo dos Estados Unidos na década de 1950, e “terrorista muçulmano” durante a guerra contra o terror atualmente construída. As reações direcionadas podem, assim, ser alcançadas, tornando a população aberta a mais manipulações neste estado. Este é um processo de reforma psíquica que funciona repetidamente para suavizar as pessoas por meio de exposição contínua e extensa a estímulos específicos. Esses gatilhos incluíram as palavras “vermelho” e “comunista” durante o macarthismo dos Estados Unidos na década de 1950, e “terrorista muçulmano” durante a guerra contra o terror atualmente construída. As reações direcionadas podem, assim, ser alcançadas, tornando a população aberta a mais manipulações neste estado. Este é um processo de reforma psíquica que funciona repetidamente para suavizar as pessoas por meio de exposição contínua e extensa a estímulos específicos. Estes são os símbolos, artificiais e feitos pelo homem, pelos quais vivemos para permitir a construção de uma sociedade complacente.

A mídia de hoje, que inclui a presença dominante da publicidade, usa extensivamente a noção de “atratores” e “padrões de atratores” para atingir a consciência do público-alvo. Esse tipo de manipulação de símbolo é frequentemente chamado de neuromarketing. As principais corporações de mídia estão usando o enorme crescimento nas comunicações globais para moldar ainda mais sua ciência de atingir a consciência humana. No caso do neuromarketing, muitos anunciantes primeiro testam o público de seus comerciais usando técnicas de escaneamento cerebral para saber qual parte do cérebro de uma pessoa está sendo ativada pelos atratores fortes específicos. Por exemplo, descobriu-se que atratores específicos podem contornar a parte lógica do cérebro e impactar a parte emocional.   

Em casos como a indústria cinematográfica, os anunciantes colocam um símbolo de prêmio (como um Oscar ou Globo de Ouro) que provou ser um “forte atrativo” eficaz que influencia a parte emocional do cérebro. A filosofia aqui é ajustar o nível de consciência de um anúncio em relação ao nível mensurável de consciência do consumidor.[2]Os anunciantes estão cientes de que a consciência de uma pessoa transmite mensagens indiretamente ao corpo na forma de resposta galvânica da pele, resposta da pupila, resposta elétrica do nervo etc. Para atingir esse conjunto correto de padrões atrativos, todos os elementos do pacote publicitário são deliberadamente trabalhados: a música, o visual, o roteiro, a voz. Atratores simbólicos interessantes e fortes que têm o maior impacto para persuadir o público incluem recursos visuais como rostos sorridentes e animais fofos (cachorros abanando o rabo e gatinhos ronronando). Em termos de atratores sonoros, eles incluem palavras como “honestidade”, “integridade”, “liberdade”, “esperança e mudança”, “amizade”, etc. Daqui,[3]

Outros métodos de propaganda flagrante incluem órgãos governamentais que usam o que pode ser chamado de “realidade da verdade”, divulgando estatísticas aparentemente precisas que falam de situações plausíveis. Essa é a tática do especialista em jaleco branco. Para que tal propaganda/informação seja efetiva, ela não pode estar muito longe da verdade; em outras palavras, deve ter a aparência de realidade. O comércio, o emprego e os números financeiros são disso exemplo. E quais membros do público em geral têm conhecimento e/ou recursos para verificar e confirmar tais números? As pessoas que sabem são geralmente aquelas que têm interesse em manter a ilusão, como comerciantes e financiadores. E quando uma nação divulga seus números de desemprego, os números realmente incluem muitos que estão desempregados, mas não assinaram, ou são despossuídos ou imigrantes? Como norma, as estatísticas de conotação negativa são geralmente extraídas da menor pilha possível. Uma vez que uma alegação falsa ou adulterada é disseminada e aceita pelo público, torna-se difícil de desconstruir ou invalidar, a menos que a antipropaganda persuasiva seja igualmente eficaz.

As sociedades modernas são configuradas para acomodar tanto o individualismo quanto o coletivo de massa. No entanto, as formas que o individualismo aceito assume são muitas vezes uma capa para esconder o funcionamento de uma psique de massa. É o que se poderia chamar de “liberdade permitida” que é fornecida ao homem moderno em busca de ganhos materiais, desde que haja uma contribuição para o plano geral da autoridade governante. A liberdade, então, é uma expressão de mobilidade dentro de um sistema pré-descrito: não denota liberdade externa ao sistema. Exemplos são os clichês de astros do rock que a grande mídia adora promover e publicar para enfeitar suas primeiras páginas. Exemplos notáveis ​​são as travessuras furiosas de artistas que destroem quartos de hotel e jogam televisões pela janela - comportamento que mais tarde se transformou em relações públicas de rock corporativo imitadoras. Em essência, tais “rebeldes” destruidores de hotéis são permitidos, e até encorajados, porque suas travessuras vendem discos. A rebeldia nessas formas é, portanto, outra contribuição para uma sociedade consumista, embora por uma lente diferente. Hoje, existem muitas formas nas quais o individualismo pode se manifestar.

A exibição de diversidade nas informações provenientes da grande mídia dá a ilusão de reportagens e notícias independentes. No entanto, a grande mídia de qualquer nação ou nações é propriedade de apenas um pequeno punhado de entidades corporativas com relações estatais de alto nível. Um indivíduo é assim atraído por um determinado jornal, por exemplo, em relação às suas opiniões, crenças, estilos de vida, etc. – todos estes sendo “comportamento padronizado diversificado” dentro do sistema. A grande mídia atende a essas necessidades operando uma variedade de jornais que apóiam esses pontos de vista míticos, sejam eles politicamente de esquerda, direita, centro-esquerda/direita, liberais, independentes, este, aquele ou qualquer outro dos cargos disponíveis para o “diversidade dentro da unidade” da mente de massa. No entanto, a mudança para a propagação da realidade banal está no cerne do crescente controle centralizado da mídia. É um tanto preocupante saber que a maioria das organizações de mídia ocidentais pertence a apenas um punhado de corporações gigantes: News Corp; Viacom; Time Warner; Disney; Vivendi Universal e Bertelsmann. 

Por exemplo, The Walt Disney Company é a maior multinacional de entretenimento e mídia do mundo. A Disney é proprietária das redes de TV ABC, Disney Channel, ESPN, A&E e History Channel. The Walt Disney Company é a maior multinacional de entretenimento e mídia do mundo. A Disney é proprietária das redes de TV ABC, Disney Channel, ESPN, A&E e History Channel. The Walt Disney Company é a maior multinacional de entretenimento e mídia do mundo. A Disney é proprietária das redes de TV ABC, Disney Channel, ESPN, A&E e History Channel. bem como subsidiárias de publicação, merchandising e teatro . A Disney também é proprietária da Walt Disney Pictures, Touchstone Pictures, Hollywood Pictures, Miramax, Dimension e Buena Vista International, além de 11 parques temáticos ao redor do mundo. A News Corp vem em seguida como a segunda maior multinacional de mídia do mundo , com uma incrível variedade de canais de TV e satélite, participações em revistas e jornais, gravadoras e editoras com sede em todo o mundo, com forte presença nos mercados asiáticos.

Da mesma forma, a Time Warner possui mais de 50 revistas, um estúdio de cinema e várias distribuidoras de filmes, mais de 40 gravadoras (incluindo Warner Bros Records, Atlantic e Elektra) e várias redes de TV (como HBO, Cartoon Network e CNN). . A Viacom é proprietária das redes de TV CBS, MTV, VH1, Nickelodeon, Comedy Central, Paramount Pictures e quase 2.000 telas de cinema, como parte de seu império de mídia. Da mesma forma, a Vivendi Universal detém 27% das vendas de música nos Estados Unidos por meio de gravadoras como Interscope, Geffen, A&M, Island, Def Jam, MCA, Mercury, Motown e Universal. Eles também são donos da Universal Studios, Studio Canal, PolyGram Films, Canal + e várias empresas de Internet e telefonia móvel. Depois, há a Bertelsmann, que, como uma corporação de mídia global, administra a segunda maior TV da Europa,

Em nossos ambientes saturados de mídia, as pessoas podem viver suas fantasias no que é considerado uma forma menos prejudicial para ajudar a aliviar o chamado “trabalho penoso de vidas repetitivas”. Essa construção também fornece às pessoas um espaço de conversa e ponto de perseguição entre amigos e colegas de trabalho, ou oferece uma zona tampão para encobrir o constrangimento de uma família não comunicativa. E se tudo der errado no trabalho, pelo menos você tem “True Blood” ou “Friends” esperando por você na tela inicial!

Em termos de reportagens convencionais, é sempre importante verificar a fonte ao ler uma notícia; isto é, é de uma fonte independente ou é “de acordo com uma fonte do governo”, etc. A grande mídia é amplamente alimentada por serviços de notícias globais, sendo os dois maiores a Reuters (agora Thomson Reuters) e a Associated Press. Isso novamente constitui uma centralização de informações de notícias. Embora ambas as organizações façam muitas reportagens de notícias precisas e precisas – que, por mais valiosas que sejam, infelizmente podem ser consideradas por alguns como prova adequada de que as notícias não são manipuladas – quando essas fontes (especialmente por meio de escritórios de relações públicas) divulgam informações como “notícias verdadeiras, ” eles não estão fazendo nada além do que foi parodiado em “1984” de Orwell como Novilíngua. 

A mídia independente, como a que está amadurecendo e amadurecendo na Internet, serviu para contra-neutralizar parte do poder persuasivo esmagador da propaganda da grande mídia. Por esse motivo, há esforços concentrados em andamento para reduzir a natureza supostamente “selvagem” e “sem censura” da Internet. Em outras palavras, isso significa que há considerável vontade corporativa e política de controlar a Internet sob a égide do controle corporativo e governamental/estatal ou, pelo menos, de vigiar seu uso.

O que mudou o plano de jogo nas últimas duas décadas foi o surgimento de comunicações globais distribuídas e descentralizadas entre indivíduos. A Internet em particular, bem como outras formas de mídia social, têm estimulado o crescimento de indivíduos que buscam informações entre si, um processo que muitas vezes é externo ao consenso de vários Estados-nação. Isso teve o efeito de afastar as pessoas dos padrões condicionados de propaganda e sistemas de crenças. Essa intervenção de baixo para cima comprometeu seriamente as técnicas de padronização das autoridades governantes. Agora existem esforços em andamento para censurar sites de informação que são críticos do estado. Portanto, é imperativo que nossa mídia independente seja protegida, nossas redes sociais de liberdade de expressão preservadas e nosso direito de buscar e falar a verdade defendido.

Notas finais

1. Bernays, EL (2004/1928) "Propaganda". Nova York: Ig Publishing.

2. Essa ideia, assim como o neuromarketing, me foi dada em correspondência pessoal por Darryl Howard, que me enviou sua pesquisa, “Publicidade no Novo Paradigma” (Darryl Howard & Associates).

3. Quem quiser saber mais sobre esse assunto deve pesquisar a Programação Neural-Linguística (PNL).


 





Postagens mais visitadas no mês

Postagens mais visitadas

Pesquisar por assunto