28.7.22

Transtorno de déficit de atenção com Hiperatividade: novo remédio.

Crédito: Revista Istoe 

Uma nova droga surgiu como remédio para transtorno do déficit de atenção com hiperatividade.

No pós-pandemia, cresce, entre adultos jovens, o consumo inadequado e perigoso de remédios controlados para melhorar a concentração, o desempenho acadêmico e profissional
Uma nova droga surgiu como remédio para transtorno do déficit de atenção com hiperatividade.
Hiperatividade
RISCOS A droga do momento entre as pessoas que querem melhorar desempenho é a medicação Venvanse (Crédito: Divulgação)

O pós-pandemia está vindo acompanhado de um aumento do consumo de anfetaminas e de seus derivados. Para recuperar o foco depois de um período extremamente difícil, “funcionar melhor”, conseguir cumprir tarefas desgastantes e rotinas exaustivas, um dos recursos é o remédio, usado nesse caso como uma espécie de doping intelectual. 

Durante um bom tempo a ritalina (metilfenidato) se destacou nessa tendência, mas a molécula do momento, para ganhar segurança no novo normal, é o dimesilato de lisdexanfetamina, que no Brasil é vendido com a marca Vensanse e produzido com exclusividade pelo laboratório japonês Takeda. 

Trata-se de um medicamento indicado para transtornos de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e alimentares, mas que vem sendo usado de forma além do razoável por concurseiros, vestibulandos e executivos do mercado financeiro para manter a concentração no trabalho e perder peso. 

No Twitter, o Vensanse é incensado por muitos usuários que elogiam suas qualidades e dizem que não podem viver sem ele. Na região da Faria Lima, em São Paulo, o remédio desapareceu das farmácias. Muitos pacientes que realmente precisam do produto com frequência não o encontram porque os consumidores “recreativos” compram tudo.


“As pessoas buscam o fármaco para ter mais energia e pensamento assertivo” Fabio Cantinelli, psiquiatra (Crédito:GABRIEL REIS)

Não é de hoje que adultos jovens têm feito uso de psicoestimulantes para melhoria do desempenho acadêmico, profissional e de aprendizagem. Anfetaminas foram fundamentais para animar os soldados na Segunda Guerra Mundial. Em momentos de crise, elas trazem concentração e foco, mas usá-las com prescrição “off label”, fora da bula, é muito perigoso e pode se converter em erro médico. 

O Vensanse aguça o sistema nervoso central, o que induz alterações no organismo como o aumento da frequencia cardíaca e, consequentemente, da circulação sanguínea para os músculos. Causa também a contração das pupilas e deixa a pessoa mais atenta ao ponto de se sentir mais capaz de realizar as tarefas e cumprir os prazos. O resultado prático com o fármaco é ter mais energia e pensamento assertivo. “Chamamos essa situação de lute ou fuja, quando o organismo entra em alerta diante de uma possível ameaça”, afirma Fábio Scaramboni Cantinelli, chefe de Psiquiatria do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. Os médicos são unânimes em alertar sobre os perigos do uso incorreto, que vem crescendo nos últimos meses.

Para o psiquiatra Luiz Fernando Petry, “o risco maior é desenvolver dependência psicológica ou física e pode ocorrer depressão se o remédio for interrompido abruptamente e não descontinuado”, diz. Quando o trabalho no escritório se acumula ou a carga horária de estudos se torna insuportável ele aparece como uma solução milagrosa para solucionar o problema.
Risco à saúde

A droga ajuda a manter a concentração em atividades maçantes. Os riscos do uso inadequado do medicamento são altos e alguns médicos ainda permitem que se faça o uso “off label”, ou seja, o uso não aprovado, que não consta na bula. O medicamento metilfenidato, semelhante ao Venvanse, foi o primeiro a ser indicado em tratamento de TDAH e, também nesse caso, há exemplos de uso negativo e positivo. “Tenho o transtorno desde a infância e tomo o remédio a partir de seu lançamento”, conta a dona de casa Carla Cristina Penteado. Ela diz que com a dosagem correta consegue ter o controle absoluto das atividades diárias. 

Carla conhece o Venvanse e afirma categoricamente: “quem toma o remédio sem prescrição tem todos os efeitos indesejados, é horrível”. Outro problema é que a compra de Vensanse por quem não precisa compromete a oferta do remédio para quem sofre de TDHA. E isso está acontecendo com cada vez mais frequência. Em comunicado com orientações sobre o uso do produto, o laboratório Takeda reforçou que “a utilização para qualquer outra finalidade que não a indicação aprovada no País (TDHA ou transtorno de compulsão alimentar) é considerada uso fora do estabelecido em bula, não estando respaldada por estudos clínicos relevantes que possam mostrar evidências de sua eficácia e/ou segurança”.


Pesquise por assunto

Postagens mais visitadas do mês.

As postagens mais visitadas do site.

Vega - Total de visualizaçõs.

Local de acessos desde 10/02/2021

Map