26.3.22

Círculo espacial bizarro capturado em detalhes sem precedentes.

Referência: ttps://www.nature.com/articles/d41586-022-00861-6

Tradução: https://vega-conhecimentos.com

Os astrônomos avistaram apenas um punhado de círculos de rádio estranhos e estão tentando identificar o que os causa.



O grande círculo externo do estranho círculo de rádio tem possivelmente mais de um milhão de anos-luz de diâmetro. Crédito: J. English (U. Manitoba)/EMU/MeerKAT/DES(CTIO)



Os astrônomos capturaram uma imagem em close de um objeto espacial raro e misterioso, levando a um esforço renovado para descobrir sua origem. Círculos de rádio ímpares (ORCs) são anéis gigantescos de ondas de rádio. Apenas cinco já foram avistados, e nunca com detalhes tão espetaculares.

A imagem do ORC J2103-6200, também chamado ORC1, foi capturada pelo radiotelescópio de alta resolução MeerKAT na África do Sul, que forneceu aos pesquisadores informações sem precedentes sobre esses fenômenos raros. Os detalhes são relatados em um preprint, postado no arXiv 1 esta semana, e será publicado em Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 2 .

“Esta descoberta dará início a novas pesquisas científicas entre os astrônomos”, diz Alice Pasetto, radioastrônoma da Universidade Nacional Autônoma do México, na Cidade do México.

Os novos dados de rádio do MeerKAT mostram que o grande círculo externo do ORC tem possivelmente mais de um milhão de anos-luz de diâmetro, dez vezes o diâmetro da Via Láctea, com uma série de anéis menores dentro. “Isso realmente me lembra um ovo Fabergé ou uma bolha de sabão”, diz Bärbel Koribalski, radioastrônoma da Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization da Austrália, em Sydney.

Os três primeiros ORCs, incluindo ORC1, foram descobertos usando o telescópio Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP) em 2019. Um quarto foi identificado em dados de arquivo do Telescópio de Rádio Gigante MetreWave da Índia em 2013, e um quinto foi descoberto por Koribalski no ASKAP mais recente dados do ano passado 3 . A maioria dos ORCs tem uma galáxia em seu centro, o que os astrônomos sugerem que pode ter algo a ver com sua criação. Também intrigante para os cientistas é o fato de que os ORCs foram espionados apenas em comprimentos de onda de rádio e não foram detectados por telescópios ópticos ou de raios-X.

Origem desconhecida

Os pesquisadores propuseram três teorias para explicar a origem dos ORCs. A primeira é que eles são criados a partir de uma onda de choque do centro de sua galáxia, semelhante ao que acontece quando dois buracos negros supermassivos se fundem.


A segunda teoria é que eles resultam das atividades de um núcleo galáctico ativo, com jatos de rádio expelindo partículas para criar a forma do ORC. A terceira teoria é que os ORCs são conchas causadas por explosões estelares no centro de suas galáxias. “Como um detetive, estamos reunindo mais e mais pistas sobre o que esse objeto pode ser”, diz Koribalski.

Os ORCs detectados até agora foram encontrados principalmente usando o ASKAP, devido ao seu enorme campo de visão. Os radiotelescópios geralmente são capazes de ver uma área do tamanho da Lua, enquanto o ASKAP pode escanear áreas 100 vezes maiores. Depois que o ASKAP detectou o ORC1, o MeerKAT foi usado para examiná-lo com mais detalhes porque sua resolução mais alta fornece uma imagem de rádio muito mais nítida.

“O projeto ORC é um ótimo exemplo do uso inteligente do MeerKAT por seus usuários, aproveitando seus pontos fortes: o ASKAP observa grandes áreas do céu e pode descobrir tipos de objetos relativamente raros; O MeerKAT pode então acompanhar para estudá-los com mais detalhes”, disse Fernando Camilo, cientista-chefe do Observatório de Radioastronomia da África do Sul na Cidade do Cabo, em um comunicado de imprensa. O observatório construiu e opera o MeerKAT.

Koribalski diz que outros radiotelescópios de alta resolução ao redor do mundo provavelmente apontarão em breve para esses objetos, principalmente quando a próxima geração desses instrumentos estiver online nos próximos anos. Estes incluem o Square Kilometer Array, que terá milhares de antenas em dois locais na Austrália e na África do Sul, e o Next Generation Very Large Array nos Estados Unidos.

“Sem dúvida, os radioastrônomos serão atraídos por esse novo tipo de objeto”, diz Pasetto.

https://doi.org/10.1038/d41586-022-00861-6

VOLTAR AO I NICIO






Pesquise por assunto

Postagens mais visitadas do mês.

As postagens mais visitadas do site.

Vega - Total de visualizaçõs.

Local de acessos desde 10/02/2021

Map

Vega Conhecimentos

VEGA – INSTITUCIONAL

Finalidadelevar conhecimentos ao maior quantidade de pessoas possível, pra que saiam da Matrix. 

Quem sou euperfil

Contatosvega@vega-conhecimentos.com 

Vídeos e Filmes: links(s) são direcionados ao(s) servidores de origem.

Contribuímos, mensalmente:

Médicos Sem Fronteiras  e a AACD

Privacidade e Termos de Utilização, o padrãoGoogle - 1998/2022.