27 de abr. de 2018

Conheça as lendas de Porto Alegre

Vega Conhecimentos. Traição, assassinato, canibalismo, pragas. Esses são alguns dos mistérios que rondam ruas, prédios e até uma igreja de Porto Alegre (Rio Grande do sul, Brasil). A maioria dessas histórias aconteceu no Centro da cidade, em lugares conhecidos dos moradores, e a cada vez que são contadas ganham mais adjetivos e detalhes assustadores. Uma mulher de branco que aparece à meia-noite em espelhos de banheiros públicos e uma mulher vestida de vermelho que pega táxi e pede para ir ao cemitério são algumas das lendas urbanas presentes no imaginário dos gaúchos. Uma das histórias mais famosas envolve a Rua Fernando Machado, a antiga Rua do Arvoredo.
Reza a lenda que, por volta do ano de 1863, um açougueiro e sua mulher matavam pessoas para fazer linguiça. Sem saber da verdadeira origem dos produtos, os consumidores faziam fila para comprar a iguaria mais recheada e deliciosa que Porto Alegre já teve.
lendporto1
A fama da região é tão grande que até hoje um açougue antigo da rua recebe olhares desconfiados de algumas pessoas. “Trabalho com açougue há 50 anos e muita gente pensa que foi aqui”, brinca o açougueiro Nelson Borowski.
lendporto2
Em 1833, quase na mesma época da história macabra do açougue, a Igreja da Nossa Senhora das Dores, que também fica no Centro, estava sendo construída. Segundo a lenda, um escravo que foi enforcado no local jogou uma praga sobre a construção. Ele havia sido acusado de roubar a tiara de Nossa Senhora, mas jurou inocência e invocou uma maldição: a igreja nunca ficaria pronta.
“Até hoje a comunidade envolvida com a igreja sente a presença dessa praga. Quando uma obra atrasa aqui, seja no salão paroquial ou na casa do padre, todo mundo fala que o negro Josino anda por aí”, diz Lucas Volpatto, funcionário da igreja.Uma construção com arquitetura medieval no Centro da cidade também é conhecida por uma lenda urbana. Construído no Alto da Bronze, o famoso Castelinho foi construído para abrigar uma história de amor e prisão. Um político casado se apaixonou perdidamente por uma linda mulher e manteve ela e o filho enclausurados no local. Pelo menos era isso o que a vizinhança comentava na época.
O que muita gente não sabe é que essas três histórias aconteceram de verdade, pelo menos em parte. O casal açougueiro da Rua do Arvoredo realmente existiu. Tem até retrato-falado dos dois. No açougue, foram encontrados corpos de dois adultos e um menino. Como faltavam parte dos corpos, a imaginação não deixou barato e surgiu a lenda que teriam virado linguiça. O caso foi parar na Justiça e o casal foi condenado.
A praga da Igreja das Dores não tem como ser confirmada, mas fato é que a construção realmente levou cem anos para ficar pronta. Assim, as pessoas que culparam o escravo Josiano nunca conseguiram fazer suas preces na igreja.
lendporto3
Quem conta a verdadeira história por trás da lenda sobre o Castelinho do Alto da Bronze é a própria personagem, Nilza Linck. Por quatro anos, ela viveu uma história de amor, ciúmes e prisão que nunca foi esquecida. “Eu ficava lá no castelo. Tinha três andares então eu ia lá para cima e ficava olhando a cidade. Eu gostava de ler então me distraía bastante na biblioteca dele, que era muito boa. Mas tenho um sentimento muito forte comigo, de não ter encontrado um amor”, afirma a aposentada. A verdade é que as pessoas adoram ouvir essas histórias misteriosas sobre a cidade onde vivem. As lendas urbanas tecnicamente resultam de uma narrativa de caráter maravilhoso que se utiliza de fatos históricos. Na verdade, é a imaginação popular deformando a realidade.
“É aquela história de que quem conta um conto aumenta um ponto. Acho que todo mundo quer ser um pouco autor dessas histórias, que elas tenham um atrativo. As pessoas gostam de ser envolvidas por essas histórias cheias de mistérios”, explica a bibliotecária Julia Agustoni Silva.
lendporto4
Museu Júlio de Castilhos - As mortes trágicas ocorridas no começo do século XX no casarão onde hoje funciona o Museu Júlio de Castilhos dão ao local a fama de mal assombrado. Na época, o então governador do Estado Júlio de Castilhos se mudou para o casarão para viver com a sua mulher Honorina e seus filhos. Em 1903, no entanto, o político morreu em casa, durante uma cirurgia para remover um câncer na garganta. A mulher, inconformada com a morte do marido, se suicidou em casa três anos depois.
lendporto5
Hospital São Pedro - A majestosa construção na Avenida Bento Gonçalves carrega muitas histórias obscuras desde a sua inauguração, em 1884, justamente por ser o primeiro hospital psiquiátrico da Capital. Hoje o prédio está praticamente abandonado, apenas com algumas alas sendo utilizadas.
lenporto6
Morro da Conceição, Maria degolada - A lenda conta a história de um soldado do 1º Regimento de Cavalaria da Brigada Militar gaúcha, chamado Brum. No dia 12 de novembro de1899, o soldado foi fazer um piquenique com sua namorada Maria Francelina Trenes e seus amigos: os soldados Felisbino Antero de Medina, Manoel Alves Nunes e Manoel Antonio Vargas, acompanhados de suas respectivas esposa. O local do piquenique era um morro localizado no bairro Partenon q na época ainda era coberto pelo mato e algumas árvores. Quando o pique-nique acabou, Brum e Maria Francelina afastaram-se do grupo pq tinham começa a discutir. Depois de algum tempo, os outros se deram conta de q o casal ainda não tinha retornado.
Então, começaram a procurá-los pelas redondezas, encontrando o soldado ao lado de uma figueira, com uma faca na mão, e a moça caída no solo, toda ensanguentada. Ela tinha sido degolada pelo rapaz. Sem conseguir entender o q aconteceu, os três soldados comunicaram o ocorrido aos seus superiores, e de lá foi enviada uma unidade q desarmou o assassino e o levou preso. Depois ele foi julgado e condenado a 30 anos de reclusão na Casa de Detenção de Porto Alegre, onde acabou sendo assassinado por outro preso 7 anos depois. A população da periferia e Porto Alegre começou a considerar Maria Francelina uma santa q atendia pedidos e orações, principalmente depois q se espalhou a notícia de q em uma sessão espírita, havia sido recebida uma mensagem da moça dizendo q não queria ser lembrada como “Maria Degolada”, e sim pelo seu verdadeiro nome. Nessa época, já existia no alto do morro uma pequena vila, onde os moradores decidiram que dali em diante o lugar seria chamado de Maria da Conceição. No local foi erguida uma construção sobre o q diziam ser o túmulo da moça assassinada, uma espécie de capela onde até hj chegam pessoas pra fazer pedidos. Conta-se que Maria Degolada atende a todos os pedidos, menos os de policiais.
lenporto7
A moça do cemitério - Em uma das mais intrigantes lendas gaúchas, contam os taxistas que, em um ponto de táxi na Otto Niemeyer, esquina cavalhada, costuma aparecer uma cliente especial. Loira, bela e trajando um vestido vermelho, ela aparece à noite. Entra no táxi e pede para ir a algum lugar que, no percurso, precise passar no Cemitério da Vila Nova. Alguns motoristas confessam que “puxam papo” com a moça, fascinados por sua beleza. Outros se limitam a contar a história…
E a história se torna assustadora, pois, quando o táxi passa no cemitério, a misteriosa mulher simplesmente desaparece do veículo! Muitos motoristas, embora chocados, contaram essa história, mas… E hoje? Estamos em outubro, mês das bruxas e dos fantasmas… E do Saci, claro! Algum motorista corajoso vai confessar ter conduzido a “fantasma”? Recomendamos muito cuidado aos taxistas da Otto, caso recebam em seu táxi uma mulher loira de beleza “surreal” e vestida de vermelho.
Fonte: GI RS
https://www.hagah.com.br
http://www.qued.com.br/
http://wp.clicrbs.com.br/

ACESSE NOSSAS INDEXADAS

PESQUISE POR ASSUNTO

AS PREFERIDAS DO MÊS

SEJA MAIS UM(A) SEGUIDOR(A)